sometimes sun shines

askaskaskSubmitPage suivanteArchives

E eu nem sabia mais o montante que queria, nem aonde eu extenso ia. O tanto assim, que até um corguinho que defrontei - um riachin à toa de branquinho - olhou para mim e me disse: - Não… - e eu tive que obedecer a ele. Era para eu não ir mais para diante. O riachinho me tomava a benção. Apeei. O bom da vida é para o cavalo, que vê capim e come. Então, deitei, baixei o chapéu de tapa-cara. Eu vinha tão afogado. Dormi, deitado num pelego. Quando a gente dorme, vira de tudo: vira pedras, vira flôr.

(Source : radicalfeministwitch, via staininyourbrain)

fyodor-haneke:

“All my life I’ve felt like I was here and somewhere else at the same time.”

Deus me deu um amor no tempo de madureza,
quando os frutos ou não são colhidos ou sabem a verme.
Deus-ou foi talvez o Diabo-deu-me este amor maduro,
e a um e outro agradeço, pois que tenho um amor.

Pois que tenho um amor, volto aos mitos pretéritos
e outros acrescento aos que amor já criou.
Eis que eu mesmo me torno o mito mais radioso
e talhado em penumbra sou e não sou, mas sou.

1:1

e veio, enfim, a calmaria. os ventos leves que desapercebida e comprometida com a pressa já não sentia. saber que orvalho tem falta de cor e que vento gela a ponta do nariz. resignificar o atraso e o gosto, não sentir desespero. 

1:2

recoloco a casa no lugar. dobro as roupas, amasso papéis, acendo uma vela pra apagar o cheiro da falta (e é como se eu não tivesse nunca partido), confiro a chave e a existência da porta. conto os dias, rabisco o calendário. ela vem, afinal. e não há medo.

1:3

estar no estrangeiro é saber estar em si. nem mesmo o corpo mostra aos outros o que sente, então aprende-se forçadamente a se interpretar. segue teu caminho, repito pra mim, e me dou força com a mão nos ombros pra ir um pouco mais fundo, um pouco mais sincero. pra retirar a casquinha da ferida e assoprar. dói mas hoje sinto alegria. o ardido da existência.

1:4

um dia a malu disse que eu era uma ostra. talvez fosse mesmo. talvez seja mesmo. e há poder na consciência dos medos, você bem me mostrou, então tenho deixado as janelas abertas. quem sabe um dia seja outra coisa mais leve. ou saiba me abrir nas horas certas.

2:1

entre-nós